Como escolher um bom protetor solar?



Você sabia que para escolher um bom protetor solar é necessário considerar o seu tipo de pele, mas não apenas isso?


Algumas pessoas acham que, se tiverem pouca ou nenhuma exposição direta ao sol, não há a necessidade de usar o protetor solar. No entanto, isso não é verdade.


Neste texto, vamos entender um pouco mais sobre como escolher um bom protetor solar, as diferenças entre os tipos de protetores solares e de peles, os principais benefícios do seu uso e recomendações que podem ajudar no seu dia a dia. Acompanhe!


Entenda o que é UVA, UVB e UVC


UVA (ultravioleta A), UVB (ultravioleta B) e UVC (ultravioleta C) são os raios ultravioleta emitidos pelo sol, eles possuem ondas diferentes e, por isso, têm ações diferentes na nossa pele.


Os raios UVC não costumam ser mencionados nos protetores solares pois são raios que embora tenham incidência sobre a terra, são bloqueados pela camada de ozônio.


Já os raios UVA e UVB precisam da nossa total atenção!


Os raios UVB podem ser mais fortes em algumas estações do ano, especialmente no verão. Eles são os principais causadores das queimaduras intensas, após exposição ao sol.


E temos ainda, os raios UVA, que possuem incidência sobre a terra durante todo o ano e o dia inteiro (do nascer ao pôr do sol). Esses raios não são perceptíveis aos olhos humanos, mas extremamente prejudiciais à saúde.


Os raios UVA são os principais responsáveis pelo envelhecimento precoce e, podem ainda, contribuir no aparecimento de doenças, como o câncer de pele. Agora que já entendemos as diferenças entre UVA, UVB e UVC, vamos explicar alguns fatores que você deve observar para garantir a sua proteção dos raios ultravioleta.


Confira abaixo:


FPS (Fator de Proteção Solar)


Você já deve ter escolhido um protetor solar levando em consideração somente o Fator de Proteção Solar (FPS), não é mesmo? Mas, você sabe o que essa sigla significa?


FPS é um índice que determina o tempo que a pessoa pode ficar exposta ao sol, sem grandes danos à saúde (vermelhidão, ardência, etc.).


Isso significa que o FPS não significa a eficácia ou poder de proteção, mas sim o tempo em minutos, em que a pele poderá ficar exposta e se manter saudável.


Ou seja, para um protetor solar com FPS 15, o tempo de exposição seguro será de 15 vezes mais do que se a pessoa estivesse sem protetor. Por exemplo, se a pessoa se queima com 7 minutos de exposição, utilizando um protetor de fator 15, esta mesma pessoa ficaria segura por até 105 minutos (7x15).


Portanto em ambientes com grande exposição solar, além da utilização imprescindível dos protetores solares, valem alguns outros cuidados como a utilização de bonés, óculos escuros, guarda-sóis e sombrinhas.


PPD (Persistent Pigment Darkening)


O Persistent Pigment Darkening (PPD) ou Escurecimento Persistente do Pigmento, é uma forma de medir a proteção contra os raios UVA e deve estar associado ao FPS para que garanta uma boa proteção solar.


A recomendação da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) é de que o PPD seja de pelo menos ⅓ (um terço) do FPS. Ou seja, para um protetor com FPS 30, o PPD deve ser de, pelo menos, 10. No entanto, muitos produtos do mercado não seguem essa regra.


Lembre-se que, diferente do FPS, o PPD mede o poder de proteção de um protetor solar e, portanto, quanto maior o PPD, maior a proteção.


Qual a diferença entre FPS e PPD?


Enquanto o FPS está associado à proteção dos raios UVB, o PPD está relacionado com a proteção dos raios UVA.


Protetor solar para o rosto


Além do FPS, quando o assunto é protetor solar para o rosto, é necessário dar atenção ao tipo de pele. Isso porque, um protetor solar mal escolhido pode ter menos eficácia ou menor duração, uma vez que sua fixação na pele pode ser prejudicada.


Outro fator que deve-se pensar é em como a sua pele fica após o uso do protetor solar. Pessoas com pele mais oleosa, ao utilizarem protetores solares também oleosos, podem sofrer com o aparecimento de espinhas e irritações na pele, especialmente no rosto.


O ideal é sempre consultar um dermatologista para a melhor escolha e, em alguns casos, o protetor precisa ser manipulado. Caso isso não seja possível, recomenda-se, pelo menos, os cuidados básicos:


  • Peles oleosas devem dar preferência a protetores não oleosos: oil-free, toque seco.

  • Peles secas devem dar preferência a protetores com maior ação hidratante.


E um lembrete importante: não esqueça o protetor solar para os lábios!


Leia também: Zinco: tudo o que você precisa saber o mineral da saúde


Prevenção


Embora a prevenção seja o fator que mais se comenta e que mais incentiva a utilização dos protetores solares, vale lembrar os principais motivos para a proteção:


  • Prevenção de Flacidez: os raios solares, podem penetrar profundamente na pele e causar danos ao colágeno.

  • Prevenção do envelhecimento e ressecamento da pele: além do dano ao colágeno, há também o ressecamento dos tecidos, ocasionando em pele áspera e aparecimento de rugas.

  • Prevenção Câncer e outras doenças de Pele: existem diversos fatores que podem contribuir para o surgimento de câncer e outras doenças de pele, no entanto, sabe-se que a exposição solar é um dos fatores que mais contribui para isto.

  • Prevenção de queimaduras solares: além de extremamente incômodas e dolorosas, as queimaduras solares podem trazer muitos prejuízos à saúde.

Caso você tenha esquecido o protetor e já se encontre com queimaduras solares e insolação, lembre-se de beber água e manter seu corpo hidratado! Você também pode aplicar por cima da queimadura uma água termal gelada para aliviar a dor e acalmar a inflamação da sua pele.


Esperamos que tenha curtido o conteúdo! :) Não deixe de compartilhar com suas amigas!




Posts recentes

Ver tudo